A produção de veículos pode registrar novas quedas em maio para que as montadoras consigam ajustar seus estoques, que cresceram 20% em abril, após o fim do desconto do IPI (Imposto sobre Produto Industrializado).

De acordo com a Anfavea (associação da montadoras), o volume estocado em março somava 18 dias de vendas (202,8 mil unidades). Em abril o estoque subiu para o equivalente a 22 dias (241,6 mil).

O presidente da Anfavea, Cledorvino Belini, afirmou que maio deve manter o patamar de produção próximo a abril –que ficou 14,6% abaixo de março. “A produção vai ficar próximo do nível do mês passado. Precisamos ver como vai ocorrer a equalização desses níveis”, afirmou.

Para as vendas, segundo ele, a previsão é que os níveis também se mantenham em relação a abril, mas o numero de maio vai depender de diversos fatores, como promoções realizadas pelas concessionárias.

Belini ressaltou, porém, que a previsão da Anfavea para o ano de produção de 3,39 milhões de unidades já contemplava a queda resultante do fim do benefício fiscal dado pelo governo.

“As previsões já levavam em conta o fim do IPI. Mas este ano, no entanto, vemos um vigor na economia, com expansão do crédito, juros ainda razoáveis e confiança do consumidor em alta. Tudo isso nos leva a crer que essa meta é factível”, afirmou.

Para as vendas, a previsão da Anfavea é de 3,4 milhões de unidades neste ano, crescimento de 8,2% em relação a 2009, que já havia sido recorde.

Abril

No mês passado, foram produzidas 289.997 unidades pela indústria automotiva brasileira, ante 339.579 (dado revisado) em março –o melhor mês da história do setor, beneficiado pela corrida dos consumidores às lojas em função do fim do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) menor.

As exportações tiveram acréscimo de 78,3% no acumulado do ano (217.779 unidades). Em abril (471.139 unidades), as vendas para o mercado externo caíram 32% ante março e subiram 34,8% frente ao mesmo mês em 2009.

O número de empregados nas montadoras somou ao final do mês passado 128.840 trabalhadores, quantidade superior à registrada em março (127.909, dado revisado), ainda abaixo do contabilizado em outubro de 2008 (131.717), quando houve o agravamento da crise internacional.

Fuente: Folha Online (06/05/2010).