Com a valorização do real, o mercado brasileiro de veículos importados deve fechar 2009 com 40 mil unidades comercializadas (a previsão anterior era de 35 mil unidades) e deverá crescer 10% em 2010, na análise da Abeiva, a entidade que congrega os importadores das marcas BMW, Chana, Chrysler, Dodge, Effa Motors, Hafei, Jeep, Kia Motors, Pagani, Porsche e SsangYong.

Pelos dados divulgados nesta quinta-feira (15/10) pela Abeiva, em setembro foram vendidos 3.899 veículos importados no mercado nacional, ante as 3.531 unidades de agosto. O volume é 10,42% superior ao de setembro de 2008, conforme ressaltou o noticiário do site G1, da Globo.

Com a inclusão dos negócios realizados pelas marcas Jaguar, Jinbei, Land Rover e Suzuki, que se associaram à Abeiva em outubro de 2008, as 15 afiliadas emplacaram em setembro 4.722 unidades.

Nos primeiros nove meses do ano, as 11 marcas que compunham anteriormente o quadro associativo da Abeiva comercializaram 23,9 mil veículos, volume 1,38% superior ao registrado em período similar de 2008 (23,2 mil unidades).

No atacado – dos importadores para as redes de concessionárias –, as vendas das 11 marcas inicialmente associadas totalizaram 26,3 mil unidades nos nove meses deste ano, ante 24,9 mil unidades entregues em período similar de 2008. Pelo mesmo comparativo, porém com as 15 marcas atuais, o volume sobe para 30,2 mil unidades.

Participação de 1,33% no mercado automobilístico nacional

No total, de janeiro a setembro, as marcas associadas à entidade têm participação de quase 9% no mercado nacional de veículos importados. Em relação ao mercado automobilístico nacional (veículos com fabricação nacional e os importados), a participação fica em 1,33%.

O presidente da Abeiva, Jörg Henning Dornbusch, avalia que há forte tendência de aumento dos financiamentos no País, que já representam 60% dos negócios com importados. “Acredito que chegue a 65% ainda este ano”, comenta.

A Kia Motors lidera as vendas entre as associadas, com 54,7% das unidades comercializadas, seguida pela BMW (11,2%) e Suzuki (8%), relata a entidade.

Fuente: Fenabrave (16/11/09)