O ministro do Emprego e Trabalho, Carlos Lupi, quer anunciar a linha de crédito de capital de giro com recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) para as revendedoras de automóveis usados e semi-novos nos próximos dez dias, no máximo. A medida foi antecipada pelo Jornal Brasil na sexta-feira. Os detalhes da linha de crédito, operada pelo Banco do Brasil, foram discutidos ontem pelo ministro e o presidente do Antonio Francisco de Lima Neto, na sede do ministério.

Demanda

O setor solicitou uma linha de crédito de R$ 2,5 bilhões. Porém, inicialmente, será anunciada uma parcela de R$ 1,25 bilhão, dos quais R$ 250 milhões estarão disponíveis na próxima semana, disse o deputado Federal Dagoberto Nogueira (PDT/MS) que participou da reunião na sede do ministério. O ministro garantiu que a cifra de R$ 2,5 bilhões será liberada conforme haja demanda pelos recursos. O ministro quer que a taxa de juro para o consumidor, na compra de carros usados e semi-novos, fique abaixo da praticada nas operações de veículos novos. Ou seja, menor do que 1,55% ao mês, que é praticada na média. Hoje o custo financeiro médio nas aquisições de carros usados é de 1,8% ao mês. Ainda ontem os técnicos do ministério e do Banco do Brasil ficaram de analisar os detalhes do impacto de tal decisão. Já as empresas terão acesso ao empréstimo com recursos do FAT com taxa de juros de 6,75% anuais.

A carência para o pagamento dos recursos foi sugerida em um ano, mas o corpo técnico ficou de analisar o assunto. O motivo para a liberação dos recursos ficar abaixo do previsto inicialmente, de R$ 2,5 bilhões, é a falta de demanda, segundo alegou o presidente do Banco do Brasil durante a reunião. De acordo com o parlamentar, Lima Neto exemplificou que a procura por crédito pelas pequenas indústrias em janeiro caiu quase cinco vezes. A média da concessão dos empréstimos para tal setor, que era de R$ 250 milhões no ano passado, caiu para R$ 50 milhões no primeiro mês de 2009.

Dessa forma, o presidente do Banco do Brasil acredita ser difícil ocorrer demanda pelo montante de R$ 2,5 bilhões, diante da atual conjuntura de crise financeira mundial. Lima Neto, segundo o deputado, disse que R$ 1,5 bilhão será suficiente para atender a demanda pelos empréstimos. ­ As pessoas estão com medo de pegar dinheiro ­ disse o deputado, repetindo as palavras do presidente do Bando do Brasil.

O ministro avisou que não quer que os recursos do FAT fiquem parados no BB, segundo o deputado. O anúncio da medida está dependendo apenas da agenda do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que deve participar do evento. O ministro disse que conversará com o presidente Lula para anunciar a medida, mas caso a agenda do presidente da República permaneça cheia nos próximos dez dias, no máximo, o anúncio deve sair sem a presença de Lula. Ainda que a medida não tenha atenda a 100% ao pleito do setor, o presidente do Sindicato Nacional dos Revendedores de Veículos Automotores, Ilídio Gonçalves Dias, considerou ótimo o resultado discutido ontem no Ministério do Trabalho. Na verdade, o ministro Carlos Lupi quer evitar novas demissões no setor de automóveis, que até agora liderou os desligamentos no mercado de trabalho.

Fuente: Journal do Brasil (04/02/09)